Lava Jato 06/07/2021 09:03

Estado deixa de arrecadar R$ 41,3 bilhões de empresas envolvidas na Lava Jato

Projeção com balanços das companhias mostra efeito da redução do faturamento na arrecadação de tributos

Um dos efeitos do declínio de empresas investigadas pela Lava Jato foi a perda de impostos que deixaram de entrar nos cofres públicos. Com queda de faturamento, as companhias envolvidas atravessaram uma crise financeira, administrativa e de reputação desde que a operação foi às ruas pela 1ª vez, em março de 2014.

Balanços analisados pelo Poder360 apontam para uma perda acumulada de R$ 41,3 bilhões no pagamento de impostos (em valores corrigidos pelo IPCA até maio de 2021). Falta transparência nos balanços financeiros quanto às informações tributárias.

Essa conta considera 11 construtoras (Odebrecht, UTC, Andrade Gutierrez, Galvão Engenharia, Camargo Corrêa, Mendes Júnior, Queiroz Galvão, OAS, Carioca, Nova Engevix e Techint), além da própria Petrobras.

Somente a UTC informou com detalhes os valores que deixaram de ser pagos em impostos. A reportagem usou os dados relatados pela construtora como referência de queda no desembolso com tributos para todas as demais empreiteiras com base na redução de receita de cada uma.

O montante que o país perdeu em tributos é 6 vezes o valor dos recursos que os procuradores da força-tarefa anunciaram ter recuperado e devolvido aos cofres públicos até o momento.

Ministério Público Federal informa que a operação conseguiu resgatar até agora R$ 6,6 bilhões –sendo R$ 6 bilhões na Instância de Curitiba e R$ 607 milhões de ações no STF (Supremo Tribunal Federal). O número pode aumentar, pois há recursos estipulados de recuperação em trâmites judiciais, como acordos de colaboração e multas.

Há 2 lados dessa moeda. Críticos da operação argumentam que apenas os envolvidos –pessoa física– em casos de corrupção (como pagamento de propina a políticos para conseguir obras com a Petrobras) deveriam ser punidos. E que as empresas poderiam manter suas atividades normalmente.

A Petrobras, por exemplo, centro do escândalo de corrupção, suspendeu o contrato com dezenas de fornecedores no início da operação. Entre elas estavam algumas das maiores construtoras do país, como Odebrecht, Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa, acusadas até então de formar um cartel para dividir os contratos da petrolífera.

A redução dos investimentos da estatal, em meio aos baixos preços do petróleo, à operação e à crise, impulsionou uma retração do Produto Interno Bruto e a quebradeira das empreiteiras, que se viram obrigadas a reduzir custos.

Poder360 apurou que as grandes companhias que estiveram no coração da operação perderam R$ 563 bilhões em faturamento nos últimos anos. Essa conta, de novo, considera 11 construtoras, além da própria Petrobras.

Por outro lado, defensores da Lava Jato alegam que as investigações –com a prisão dos executivos das empreiteiras envolvidas– foram uma forma de mudar o modelo de fazer negócios com a administração pública.

Depois do início das investigações, as companhias alvejadas adotaram diversas medidas para recuperar sua credibilidade frente ao mercado e à opinião pública. Investiram uma fortuna em políticas de compliance (conformidade), que têm como principal função fiscalizar cada etapa dos negócios, e evitar novos casos de corrupção. Um legado, que na visão dos apoiadores, ficará para o longo-prazo.

Deu em Poder360

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista