Cidades 22/10/2020 11:56

UFRN, Fiern, Fecomércio e Sebrae entregam modelo de “Cidade Inteligente” aos candidatos à Prefeitura de Natal

Coletar dados sobre as atividades locais e otimizar o aproveitamento de recursos no ambiente usando tecnologia para melhorar a qualidade de vida local.

Coletar dados sobre as atividades locais e otimizar o aproveitamento de recursos no ambiente usando tecnologia para melhorar a qualidade de vida local.

Este é o conceito de cidades inteligentes (smart cities), que usam grandes bancos de dados para planejar o espaço urbano e permitir um melhor gerenciamento dos recursos disponíveis pelos gestores.

Com a chegada de mais um pleito eleitoral, instituições locais representativas da indústria, do comércio, do setor acadêmico e de apoio ao empreendedorismo uniram-se para apresentar propostas aos candidatos à Prefeitura de Natal a fim de tornar a capital potiguar uma smart city.

O documento “Natal Cidade Inteligente – Prefeitura Aberta e Cidadão Participante”, assinado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Federação das Indústrias do Estado (FIERN), Federação do Comércio de Bens Serviços e Turismo (FECOMÉRCIO RN) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE RN), aponta para 11 áreas essenciais para o desenvolvimento social e econômico da cidade, estimulando a inteligência municipal através do investimento, uso e absorção cultural de tecnologias.

Desde a saúde pública passando pela economia, educação, empreendedorismo, energia, governança, meio ambiente, mobilidade, segurança até tecnologia e urbanismo.

Os desafios trazidos pelo ano de 2020 – através de um fato inesperado: a pandemia da COVID-19 – e novos desafios que poderão surgir, oportunizam novos modelos de gestão. “O uso da TI na gestão de estados e munícipios pode trazer enormes benefícios no enfrentamento de tais desafios”, destaca o diretor do IMD, Ivonildo Rego.

“O conceito de Cidades Inteligentes torna-se fundamental para o debate público nesse momento, de modo a se pensar em políticas públicas urbanas que estejam de acordo com os desafios trazidos pelo Século 21, e que empreguem de maneira consistente as ferramentas cujo desenvolvimento é oportunizado por nossa época”, enfatiza.

Concentrando 27% do PIB da indústria potiguar, o objetivo da proposta é tornar Natal ainda mais atrativa para novos investimentos do setor.

Para a Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte, a adoção de uma gestão baseada em dados é um estímulo a implantação e migração para a Indústria 4.0. “As cidades inteligentes são pioneiras na implantação da indústria 4.0, pois há uma cultura de fomento ao empreendedorismo, à conectividade, à inovação.

Além de permitir a adoção de novas medidas de gestão baseada em dados e também participação mais ativa da sociedade civil”, destaca o presidente da FIERN, Amaro Sales. Ele destacou ainda que o modelo pode ser expandido para as demais prefeituras do estado.

“A adoção de medidas que estimulem o uso de energias renováveis, como a eólica e a fotovoltaica, também é uma forma de estimular a vinda de mais empresas e investimentos deste setor aqui”, explica.

Com um histórico de parceria com o IMD e o estado alemão da Renânia-Palatinado no projeto RN Inteligente – para uso da tecnologia como apoio à gestão estratégica há mais de uma década -, a Fecomércio RN ressalta a importância da parceria entre as entidades e o compromisso dos futuros gestores para a viabilidade da proposta Natal Cidade Inteligente.

Natal ainda tem no comércio, nos serviços e no Turismo seu principal pilar econômico (os segmentos respondem mais de 70% do PIB da capital). Por isso, o presidente da Federação do Comércio do Estado, Marcelo Queiroz, destaca o quanto as atividades podem ser beneficiadas com este modelo moderno de gestão.

“Recebemos com muita satisfação o convite do IMD para colaborar com esta iniciativa, na qual temos reconhecido know-how, sobretudo em virtude de nossas parcerias com a Alemanha. Podemos e vamos contribuir fornecendo estudos e projetos que possam potencializar investimentos. O compromisso dos futuros gestores com este modelo é crucial porque ele tem um enorme potencial para alavancar a nossa economia e trazer, a reboque, o tão desejado desenvolvimento social”, afirma o presidente do Sistema Fecomércio RN, Queiroz.

Entre os pontos citados na proposta encaminhada aos candidatos à Prefeitura de Natal está o uso de tecnologia para integração de dados e o incentivo a implantação de empresas da área e economia criativa, além de parques tecnológicos e incubadoras.

Para o diretor superintendente do Sebrae-RN, José Ferreira de Melo Neto, a adoção de um modelo de Cidade Inteligente é uma iniciativa que certamente vai gerar desenvolvimento econômico e social de forma sustentável, tendo como aliados os próprios cidadãos.

“Creio que o maior desafio de um prefeito é iniciar uma gestão municipal moderna e sustentável, contando apenas com os recursos e infraestrutura já existentes. Por essa razão, considero essencial o investimento em inovação e tecnologia, a fim de que o gestor público possa transformar a realidade difícil de um município, que muitas vezes tem contrastes sociais e problemas de infraestrutura que impactam negativamente na vida dos seus munícipes”, afirma Zeca Melo.

Deu no Portal da Fiern

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista