Uncategorized 15/10/2020 06:23

Fábio Faria entrega ao Planalto PL para privatização dos Correios

Ministro das Comunicações assegurou que servidores e franqueados poderão conversar com congressistas para buscar as melhores soluções, quando o projeto for ao Congresso em 2021

Ministro das Comunicações, Fábio Faria entregou, nesta quarta-feira (14/10), o projeto de privatização dos Correios ao Palácio do Planalto.

O chefe da pasta, que foi recebido pelo ministro Jorge Oliveira, da Secretaria Geral da Presidência, não divulgou o conteúdo do documento para a imprensa, mas afirmou que ele contém mais princípios do que regras sobre os rumos a serem tomados no processo — uma vez que as decisões deverão ser tomadas no Congresso Nacional.

Mas a apreciação do PL no Congresso deverá ocorrer somente após passar pela Casa Civil. Vale lembrar que a proposta já foi assinada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Na saída do Palácio, Faria afirmou que a parte que competia à pasta foi concluída.

E também revelou que a consultoria contratada pelo BNDES deverá enviar, em até 120 dias, a consultoria para o Congresso Nacional, com o intuito de estabelecer parâmetros para o processo e levar o tema para votação até o fim de 2021.

O ministro destacou, também, que os servidores terão a oportunidade de conversar com deputados e senadores sobre o assunto para buscar as melhores soluções possíveis.

Ele acredita que o Congresso será justo nas decisões tomadas. Um dos principais argumentos entre os que defendem a manutenção dos Correios como estatal é o fato de o país possuir locais remotos de difícil acesso, que poderiam ser desinteressantes para a iniciativa privada.

“Tudo isso será debatido no Congresso, não será um projeto feito de maneira brusca, mas no tempo certo. Com certeza, o Congresso saberá ser justo sobre isso. O projeto vem para melhorar a capacidade de entrega dos Correios. Quem recebe cartas, boletos ou qualquer embalagem dos Correios em qualquer lugar do país, isso será mantido. Ninguém deixará de receber”, disse Faria.

O Ministério das Comunicações ficaria responsável pela coordenação da política para a permanente melhoria dos serviços postais, da Política Postal Brasileira e do Plano Geral de Metas para a Garantia da Prestação do Serviço Postal Universal.

A proposta prevê, ainda, a substituição da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) por uma nova agência: Agência Nacional de Comunicações (Anacom). Esta passaria a regular também os serviços do Sistema Nacional de Serviços Postais.

Deu no Correio Braziliense

Ricardo Rosado de Holanda

Descrição Jornalista