Sem categoria 27/06/2013 14:57

Atirou no que viu e acertou no que não viu

Por fatorrrh_6w8z3t

É comum se ouvir que a pessoa nasce no município, vive, produz, consome, trabalhar, casa nos municípios.
É de lá que vem a arrecadação de todos os impostos.
Estados também produzem.
Só quem não produz quase nada é a União. A não ser nas explorações de petróleo no mar territorial, espaço exclusivo da União.
Ninguém vive na União.
Mas é ela quem fica com a grande parte dos impostos pagos pelos cidadãos.
Pois o povo ao marchar nas ruas das cidades terminou atirando no que viu (ou gostaria de ver) e acertou no que não viu.
Pelas demandas nascidas nas ruas, o Congresso já se apressou e começou a aprovar leis que, inevitavelmente, para que funcionem, terão que contar com recursos.
Que estão na União.
Poder nas mãos dos Presidentes da República e do Poder Central.
Desfilam em Brasília, passando o pires, Prefeitos, Governadores, deputados e senadores. Sempre em nome dos interesses dos municípios e estados.
Um levantamento de hoje assinala que, para atender as demandas exigidas pelo povo na rua, a União terá que investir mais de R$ 115 bilhões até 202.
Se a grana não vier o povo volta pras ruas.
Se vier, acaba a procissão de Governadores e Prefeitos a Brasília beijar a mão do vigia de plantão no Palácio do Planalto.
Não deixa de ser uma redu’lcão grande de poder nas mãos dos Presidentes da República e da burocracia de Brasília.

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista