Comportamento 24/06/2024 18:59

3 filmes que retratam transtornos mentais fielmente

Obras foram elogiadas por psicólogos por passarem a imagem correta do que é cada condição

A mente humana é difícil de ser compreendida, especialmente quando falamos em anormalidades.

Infelizmente, Hollywood não está imune a essa dificuldade, e muitas vezes as narrativas em torno de questões como transtornos psicológicos são simplificadas – o que compromete a percepção dos espectadores sobre como eles realmente são na realidade.

No entanto, existem algumas exceções.

Os três filmes a seguir foram amplamente elogiados pela atenção meticulosa aos detalhes na representação clínica e precisa de conceitos psicopatológicos, e o compromisso em retratar transtornos fielmente foi aclamado por psicólogos.

1. Cisne Negro (2010)

Ironicamente, vários espectadores criticaram “Cisne Negro” por retratar mal a esquizofrenia.

No entanto, essa crítica baseia-se em um equívoco, já que o filme não retrata, de fato, a esquizofrenia.

Steve Lamberti, professor de psiquiatria do Centro Médico da Universidade de Rochester, disse em uma entrevista de 2010 à ABC News logo após o lançamento que o filme “não retratou com precisão a esquizofrenia, como tem sido especulado, mas apresenta um retrato razoável da psicose.”

A psicose é uma condição altamente incompreendida.

Muita gente não sabe que muitas vezes é um sintoma de problemas mais amplos de saúde mental, e não um distúrbio em si.

De acordo com um estudo de 2015 , a psicose envolve uma perda de contato com a realidade – que pode se manifestar por meio de alucinações, delírios e pensamentos desorganizados.

Ao contrário do erros comuns, a psicose não significa necessariamente comportamento violento ou bizarro; em vez disso, significa uma ruptura profundamente angustiante da realidade que pode impactar gravemente a vida de um indivíduo.

Divulgação
“Cisne Negro” é estrelado por Natalie Portman

A interpretação de Nina Sayers por Natalie Portman em “Cisne Negro” é uma representação brilhante de como é a psicose.

A perda gradual de contato de sua personagem com a realidade é retratada do início ao fim de uma forma que exemplifica o quão perturbadora e confusa essa condição pode ser.

Os espectadores terão dificuldade em distinguir o que é real e o que não é até que seja tarde demais – assim como a própria experiência de Nina.

Esse dispositivo narrativo transmite de forma pungente a turbulência e a desorientação da psicose, fazendo de “Cisne Negro” um filme poderoso que captura autenticamente a essência dessa condição tão incompreendida.

2. O Aviador (2005)

Muitas pessoas consideram o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) apenas uma “obsessão por limpeza” ou um “perfeccionista”.

No entanto, na realidade, essa desordem é muito mais desgastante e insuportável do que simplesmente querer manter a sua casa limpa – e “O Aviador” deixa isso muito claro.

Em uma análise de 2012 , a Dra. Anne Chosak, do Centro para TOC do Massachusetts General Hospital, expressou: “’O Aviador’ fornece um retrato realista e sensível da luta de décadas de um homem contra o TOC”.

De acordo com um estudo de 2019 , o TOC envolve obsessões perturbadoras e, consequentemente, compulsões exaustivas que levam a perturbações massivas na vida diária:

1) Obsessões são pensamentos, imagens ou impulsos intrusivos e indesejados que causam uma grande ansiedade.

2) Compulsões são comportamentos repetitivos ou atos mentais realizados para reduzir o sofrimento causado por essas obsessões.

O TOC se manifesta de várias formas – como comportamentos obsessivos e compulsivos em relação a danos, simetria, acumulação e até pensamentos agressivos ou sexuais intrusivos.

Uma forma é o TOC de contaminação – que não é tão simples quanto lavar e higienizar as mãos. Em vez disso, é um medo total de germes e contaminação.

Reprodução
“O Aviador”: Leonardo DiCaprio é o protagonista

A interpretação de Howard Hughes por Leonardo DiCaprio em “O Aviador” é um excelente exemplo de como o TOC pode ser debilitante, apesar de quem sofre ter consciência da irracionalidade de seus pensamentos.

Os espectadores podem ficar desconcertados ou perplexos com o esforço que Howard faz para satisfazer seus desejos de limpeza e perfeição – mas isso captura apenas uma fração do desconforto e angústia que quem sofre de TOC sente a cada segundo de suas vidas.

3. Joias brutas (2019)

Muitas pessoas veem alguém que enfrenta algum vício se “afundando” e se perguntam por que escolher continuar nesse “estilo de vida”.

No entanto, elas não entendem que esse “estilo de vida” não é uma escolha – é o resultado de uma doença genuína. “Joias Brutas” acerta nisso.

De acordo com um artigo de 2020 da Brief Addiction Science Information Source da Cambridge Health Alliance, “é importante que a mídia e a imprensa retratem o Transtorno do Jogo com precisão, e o filme ‘Joias Brutas’ faz exatamente isso”.

De acordo com um estudo de julho de 2019 da Nature Reviews Disease Primers, o vício do jogo é mais do que apenas apostas ocasionais ou um mau hábito: é uma compulsão generalizada e consumidora que toma conta da vida de um indivíduo.

Ao contrário do que muita gente pensa (equivocadamente) de que consiste apenas em perseguir uma emoção ou ser irresponsável com o dinheiro, o vício do jogo é caracterizado por um desejo incontrolável de continuar a jogar, apesar das graves consequências negativas.

Essa desordem conduz frequentemente a um ciclo destrutivo de altos e baixos, com momentos de euforia seguidos de profundo desespero – à medida que os indivíduos são atraídos para apostas cada vez mais arriscadas numa tentativa desesperada de recuperar perdas ou ter uma sensação fugaz de vitória.

Reprodução
Adam Sandler vive apostador compulsivo em “Joias Brutas”

A interpretação de Howard Ratner por Adam Sandler em “Joias Brutas” captura a natureza oscilante do vício do jogo com muita autenticidade.

A vida de Ratner é um turbilhão caótico de apostas altas, esquemas desesperados e momentos de puro pânico enquanto ele concilia dívidas, relacionamentos e sua necessidade insaciável de jogar.

O desempenho de Sandler ilustra vividamente a natureza desgastante e vacilante do transtorno, mostrando como o vício controla e distorce todos os aspectos da vida do paciente.

*Mark Travers é colaborador da Forbes USA. Ele é um psicólogo americano formado pela Cornell University e pela University of Colorado em Boulder. 

Deu em Forbes

Ricardo Rosado de Holanda


Descrição Jornalista