Violência 06/06/2022 18:22

Padre surta no altar durante a missa, incita violência e prega incendiar veículos de comunicação

"Se fosse em outro tempo, no de Frei Damião, ele já teria organizado o povo para tocar fogo naquela rádio e naquela TV que falam mal dos padres", disse, afirmando ainda que os padres tinha "exércitos" e que era comum que andassem armados.

O padre Antônio Murilo de Paiva, pároco de Parnamirim, criou polêmica durante uma homilia em celebração no domingo (5), dois dias após vir à tona a polêmica envolvendo o padre Júlio Cézar Cavalcante. Padre Murilo falou sobre a necessidade da “igreja reagir”, mas colocando como alvo alguns veículos de imprensa que divulgaram o caso envolvendo o agora ex-pároco de Candelária.
No áudio, padre Murilo relatou supostos momentos em que os padres andavam armados e, segundo ele, teriam feito um jornalista engolir um jornal sob ameaça de um revólver calibre 38.
“Se fosse em outro tempo, no de Frei Damião, ele já teria organizado o povo para tocar fogo naquela rádio e naquela TV que falam mal dos padres”, disse, afirmando ainda que os padres tinha “exércitos” e que era comum que andassem armados.
Na homilia, o padre também comentou a postura de Padre Júlio, envolvido em suposto escândalo sexual e afastado pela Arquidiocese.
“O padre fez canonicamente tudo correto. O fato aconteceu antes do casamento. Se confessa e pede que o noivo se confesse com outro padre. Faz o casamento, talvez tenha sido o deslize aí”, comentou padre Murilo.
A Arquidiocese de Natal tomou conhecimento sobre o áudio. Para a instituição, “trata-se de uma opinião pessoal do padre, com a qual o governo arquidiocesano não concorda”. Questionada pela reportagem da Tribuna do Norte se haverá algum tipo de sanção ao padre, a Arquidiocese informou que o arcebispo ainda vai analisar o que foi dito pelo sacerdote.
Deu em Tribuna do Norte
Ricardo Rosado de Holanda



-

Descrição Jornalista