Saúde 16/11/2021 11:30

Além da memória: veja 7 sinais iniciais de Alzheimer para ficar atento

Diagnóstico precoce da doença é essencial para diminuir a velocidade da evolução do quadro. Condição é mais comum em idosos

O Alzheimer é uma doença em que o diagnóstico precoce é fundamental. Como é uma condição degenerativa, vai se agravando conforme os anos, e começar o tratamento o quanto antes é essencial para retardar o seu avanço.

Os sintomas de Alzheimer são mais comuns a partir dos 70 anos, no entanto, é possível que aconteça em jovens, podendo começar por volta dos 30 anos, recebendo o nome de Alzheimer precoce.

Os principais sinais da doença são:

  1. Perda de memória;
  2. Dificuldade em executar tarefas do dia-a-dia;
  3. Desorientação;
  4. Problemas de linguagem;
  5. Repetir conversas ou tarefas;
  6. Trocar o lugar das coisas;
  7. Mudanças bruscas no humor e na personalidade, em alguns casos;
  8. Desinteresse pelas atividades habituais.

É importante ficar atento ao aparecimento destes sintomas, pois assim é possível consultar o neurologista e iniciar o tratamento o quanto antes. Os sinais de Alzheimer podem também variar de acordo com o estágio da doença em que a pessoa se encontra:

1. Fase inicial

Na fase inicial do Alzheimer os principais sinais são:

  • Alterações da memória, principalmente dificuldade para lembrar dos acontecimentos mais recentes, como onde guardou as chaves de casa, o nome de alguém ou um local onde esteve, por exemplo;
  • Desorientação no tempo e no espaço, tendo dificuldade para achar o caminho de casa ou não saber o dia da semana ou a estação do ano que está;
  • Dificuldade para tomar decisões simples, como planejar o que cozinhar ou comprar;
  • Repetir constantemente a mesma informação, ou fazer as mesmas perguntas;
  • Perda de vontade em realizar atividades do dia-a-dia;
  • Perda do interesse por atividades que costumava de fazer, como costurar ou fazer cálculos;
  • Mudança do comportamento, geralmente ficando mais agressivo ou ansioso;
  • Alterações de humor com momentos de apatia, riso e choro.

Nesta fase, a alteração da memória acontece para situações recentes, e a lembrança de situações antigas permanece normal, o que torna mais difícil a identificação do quadro de Alzheimer.

2. Fase moderada

Na fase moderada do Alzheimer os principais sinais são:

  • Dificuldade para cozinhar ou limpar a casa, deixando o fogão ligado, colocando na mesa alimentos crus ou usando os utensílios errados para limpar a casa, por exemplo;
  • Incapacidade de fazer a higiene pessoal ou esquecer de se limpar, usando a mesma roupa constantemente ou andando sujo;
  • Dificuldade para se comunicar, não recordando as palavras ou dizendo frases sem sentido e apresentando pouco vocabulário;
  • Dificuldade para ler e escrever;
  • Desorientação em locais conhecidos, perdendo-se dentro da própria casa, urinando no cesto do lixo, ou confundindo os cômodos;
  • Alucinações, como ouvir e ver coisas que não existem;
  • Alterações do comportamento, ficando muito quieto ou excessivamente agitado;
  • Ficar sempre muito desconfiado, principalmente de roubos;
  • Alterações do sono, podendo trocar o dia pela noite.

Nesta fase, o idoso torna-se dependente de outra pessoa, porque já não consegue fazer as tarefas do dia a dia, devido a todas as dificuldades e confusão mental. Além disso, é possível perceber dificuldade para andar e alterações do sono.

3. Fase avançada

Na fase avançada da doença, os sintomas já são mais graves e a pessoa pode se tornar bastante dependente, sendo os principais sinais:

  • Não memorizar nenhuma informação nova e não recordar as informações antigas;
  • Esquecer dos familiares, amigos e locais conhecidos, não identificando o nome nem reconhecendo o rosto;
  • Dificuldade para entender o que acontece em sua volta;
  • Ter incontinência urinária e de fezes;
  • Dificuldade para engolir alimentos, podendo ter engasgos ou demorar muito para terminar uma refeição;
  • Apresentar comportamentos inapropriados, como arrotar ou cuspir no chão;
  • Perder habilidade para fazer movimentos simples com os braços e as pernas, como comer com uma colher;
  • Dificuldade para andar, sentar ou levantar, por exemplo.

Nesta fase, a pessoa pode passar a ficar mais deitada ou sentada o dia inteiro e, se nada for feito para impedir isto, a tendência é que se torne cada vez mais frágil e limitada. Assim, pode vir a necessitar do uso de cadeira de rodas ou mesmo ficar acamado, tornando-se dependente de outras pessoas para realizar todas as tarefas, como tomar banho ou trocar fraldas.

Como diagnosticar o Alzheimer

Para fazer o diagnóstico, o geriatra e/ou neurologista devem avaliar a história clínica da pessoa e observar os sinais e sintomas apresentados. Além disso, é indicada a realização de exames como ressonância magnética, tomografia computadorizada e exames de sangue.

São feitos também testes de memória e cognição, como o Mini Exame do Estado Mental, Token Teste, Teste do Relógio e teste de fluência verbal, para avaliar o grau do sintoma apresentado e, assim, conseguir classificar com mais precisão a fase da doença que a pessoa se encontra. Os sintomas de Alzheimer podem ainda ser sinal de outras doenças degenerativas, como a demência com corpos de Lewy.

Como é feito o tratamento

O tratamento do Alzheimer é feito com a toma de medicamentos para diminuir os sintomas da doença, além de ser necessário realizar fisioterapia e estimulação cognitiva.

A doença não tem cura, e o cuidado deve ser instituído até o fim da vida. É comum que o indivíduo se torne dependente de outros para realizar tarefas do dia a dia, como comer, escovar os dentes ou tomar banho e, por isso, é importante que haja um cuidador próximo para o auxiliar e evitar que o paciente corra perigo.

Deu em Metrópoles

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista