Forças Armadas 13/10/2021 09:45

Brasil pode ter submarino de propulsão nuclear antes da Austrália; entenda

Se começar a operar em 2030, país será o 1º sem armas nucleares a operar esse tipo de embarcação.

A Marinha brasileira já trabalha no submarino de propulsão nuclear Álvaro Alberto no complexo naval de Itaguaí, no Rio de Janeiro.

Caso confirme a expectativa de concluir a construção até 2030, o Brasil se tornará o 1º país sem armas nucleares a operar uma embarcação deste escalão e terá um exemplar em seu arsenal antes mesmo da Austrália, país incluído no pacto Aukus para compartilhamento de tecnologia militar.

Os submarinos de propulsão nuclear entraram no radar global depois que o governo australiano dispensou a compra de embarcações movidas a diesel, com a França, para ingressar na cooperação militar com EUA e Reino Unido.

A embarcação é movida pela quebra de núcleos atômicos e, por dispensar o oxigênio necessário na queima do diesel, consegue submergir e emergir a qualquer momento.

Até então, Washington e Londres só haviam compartilhado essa tecnologia entre si. Mas a crescente pressão da China no Pacífico fez com que Camberra também entrasse para o grupo –fato classificado por Pequim como “insinuação para uma Guerra Fria”.

Os planos do Brasil em ter o seu próprio submarino de propulsão nuclear, porém, parecem ser mais antigos. A Marinha classifica o projeto como um “sonho” alimentado com estudos desde a década de 1970. Eis a íntegra da apresentação (2 MB)..

A Marinha afirma que as Forças Armadas do Brasil começaram o trabalho nuclear há pelo menos 50 anos, com o objetivo de “eventualmente produzir armas nucleares” para o país.

“Centenas de funcionários da Marinha foram deslocados em um programa secreto para girar urânio em centrífugas –processo de enriquecimento para uso em reatores ou bombas”, diz o site da Marinha. “E para construir os reatores em miniatura que podem caber dentro do casco apertado de um submarino”.

O trabalho sobreviveu ao fim da ditadura, em 1985, acabou ficando de lado por um tempo e recebeu o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de 2003 a 2010.

O objetivo seria proteger a chamada “Amazônia Azul” –os 8.000 quilômetros da costa brasileira. Agora a tecnologia de produção do combustível e do sistema de propulsão nuclear está sendo desenvolvida pelo Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo.

O QUE DIZ A MÍDIA INTERNACIONAL

Em reportagem publicada na 2ª feira (27.set.2021), a revista The Economist considera o uso de um submarino de propulsão militar –uma das “mais furtivas” do mundo –como um “exagero” para proteger peixes e guardar plataformas de petróleo. “Submarinos diesel-elétricos, mais silenciosos em águas rasas e muito mais baratos de construir, seriam mais adequados para a defesa costeira”, diz o texto.

A reportagem relaciona a “sobrevivência do programa” a grandes figuras do governo, como o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque e ao próprio presidente Jair Bolsonaro.

“[Albuquerque é] um ex-almirante que comandou a força de submarinos do Brasil e comandou as obras nucleares da Marinha. Bolsonaro, ele próprio um ex-oficial do exército, acumulou militares em seu governo e aumentou o orçamento das forças armadas este ano”, afirma a reportagem.

O Brasil não assinou o Protocolo Adicional da AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica), órgão de vigilância nuclear que prevê inspeções regulares. Ainda assim, o país mantém um pacto bilateral de monitoramento nuclear com a Argentina, assinado em 1991.

Deu em Poder360

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista