Vacina 03/09/2021 17:45

Comitê britânico diz que vacinação de adolescentes traz poucos benefícios

Avaliação não se aplica para pessoas de 12 a 15 anos com comorbidades.

O JCVI (Joint Committee on Vaccination and Immunisation), comitê do governo do Reino Unido para vacinas e imunização, disse nesta 6ª feira (3.set.2021) que não há evidências suficientes para recomendar a vacinação de adolescentes entre 12 e 15 anos sem comorbidades.

Segundo o órgão, “a margem de benefício é considerada muito pequena” para que o comitê apoie a imunização “universal de pessoas saudáveis de 12 a 15 anos” contra a covid-19.

No início de junho, o Reino Unido aprovou o uso da vacina da Pfizer para pessoas a partir dos 12 anos, mas aplicação do imunizante só pode ser iniciada depois da manifestação do JCVI sobre a questão.

O comitê se reuniu no dia 26 de agosto, na 4ª feira (1º.set.2021) e na 5ª feira (2.set.2021), com especialistas dos Estados Unidos e do Canadá para discutir o assunto.

Ele apontou, então, que as evidências sobre a situação epidemiológica da covid-19 no país mostram que os benefícios da vacinação do público de 12 a 15 anos são pequenos.

“Uma abordagem de precaução foi acordada dado o risco muito baixo de doenças graves em pessoas com idade entre 12 e 15 anos sem uma condição de saúde subjacente”, disse.

A avaliação não se enquadra aos adolescentes que apresentam alguma comorbidade, já que, segundo o comitê, isso os deixa mais suscetíveis a desenvolver o quadro grave de covid-19.

O JCVI, no entanto, deixou em aberto a possibilidade do governo britânico buscar outros conselhos sobre a questão

Segundo o The Guardian, os 4 diretores médicos da Escócia, Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte, países que integram o Reino Unido, devem se reunir na próxima semana para avaliar os benefícios sociais da vacinação dos adolescentes e podem rejeitar a recomendação do JCVI.

Deu em Poder360

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista