Eleições 11/08/2021 17:40

Fala polêmica de Barroso e CPI das urnas: qual o futuro das eleições?

Após a Câmara dos Deputados rejeitar e arquivar a proposta de emenda à Constituição (PEC) que propunha o voto impresso em eleições, plebiscitos e referendos, um vídeo que mostra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, dizendo que "eleição não se ganha, se toma" viralizou nas redes.

Após a Câmara dos Deputados rejeitar e arquivar a proposta de emenda à Constituição (PEC) que propunha o voto impresso em eleições, plebiscitos e referendos, um vídeo que mostra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, dizendo que “eleição não se ganha, se toma” viralizou nas redes.

No conteúdo de junho da TV Câmara, o ministro questiona se o que disse foi gravado. “Eu brinquei com ele que eleição em Roraima não se vence, se toma. (…) Isso está com som?”

Para o jornalista e analista político, Fernando de Castro, a fala de Barroso, que também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), é gravíssima.

“Afirmar, mesmo que de brincadeira, que as eleições num determinado estado da federação ‘se toma’, dá a entender que existe uma ação que visa mexer nos votos durante a contagem para reverter em favor de um outro postulante no pleito. Esse tipo de atitude só gera uma desconfiança ainda maior do eleitorado em torno do processo eleitoral, cujo tema tem sido marcado por debates acalorados nos últimos meses”.

Desde o início da discussão sobre a implementação do voto impresso, Barroso se posicionou de forma contrária. “O voto impresso sairia da mesma urna eletrônica que estaria sob suspeita. É um paradoxo duvidar do voto eletrônico e confiar no impresso”, afirmou em sessão temática no Plenário do Senado sobre a legislação eleitoral.

Deu em R7

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista