Economia 07/07/2021 18:00

PIB do Brasil vai crescer de 5% a 5,5% neste ano, diz Guedes

Para Guedes, o "país está surpreendendo o mundo" e que economia brasileira "se recuperou em V"

Nesta quarta-feira (7), o ministro da Economia, Paulo Guedes, participou de uma audiência pública na Câmara dos Deputados e afirmou que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve crescer 5% ou 5,5% em 2021.

Para Guedes, o “país está surpreendendo o mundo” e citou as previsões do mercado financeiro, que eram de queda maior do PIB do que em relação ao ano de 2020. “O Brasil é melhor que a França, melhor que a Itália, melhor que todo mundo do ponto de vista econômico”, disse o ministro.

O ministro afirmou que a economia brasileira se recuperou em “V”, com desempenho melhor do que os países desenvolvidos, à exceção da China e EUA. “A economia já voltou em V, voltamos ao nível anterior à pandemia, com a diferença que continuamos crescendo, vamos superar esse nível.”

Citando os números do varejo divulgados nesta manhã pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Guedes disse que “a economia está decolando e que isso aparece em diferentes indicadores, como a arrecadação”.

Guedes disse que a economia brasileira é uma “engrenagem que funcionou”. “Fomos testados no limite”, afirmou o ministro. Por outro lado, ele reconheceu contribuições trazidas pela própria oposição ao governo, inclusive em matérias como a Reforma da Previdência.

“Mesmo a oposição, quando divergiu, trouxe ensinamentos importantes”, disse.

“Nos ajudaram quando disseram que o BPC Benefício de Prestação Continuada é importante para regiões mais frágeis.”

O ministro também fez uma retrospectiva das ações do governo na pandemia. Ele disse que o governo zerou a fila do Bolsa Família e atendeu aos mais frágeis imediatamente. “Preferimos pecar pelo excesso. Gastamos 8,5% do PIB, R$ 600 bilhões, metade para os mais frágeis.”

Segundo ele, o Benefício Emergencial (BEm) custou R$ 47 bilhões e “protegeu um terço da mão de obra formal privada do País”. Ele repetiu que foi a primeira recessão em que houve a criação de vagas.

Reforma tributária

Guedes também defendeu, durante a audiência, a tributação de dividendos para a redução dos impostos pagos por empresas e assalariados, comentando um dos pontos polêmicos da reforma tributária, enviada recentemente ao Congresso.

O argumento do ministro é que o Brasil é um país de renda baixa e 75% dos trabalhadores recebem menos de R$ 1,5 mil por mês.

Deu na CNN

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista