Vacina 07/06/2021 10:24

Queiroga diz que governo negocia compra de 100 mi de doses da Moderna

Afirmação foi feita na manhã desta segunda-feira (7/6). Ministro apontou que esse tipo de acordo internacional é "sensível"

ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que a pasta trabalha para a aquisição de 100 milhões de doses de vacinas da Moderna contra a Covid-19. A afirmação foi feita na manhã desta segunda-feira (7/6), em conversa com jornalistas.

O cardiologista não deu mais detalhes sobre as negociações e afirmou que esse tipo de acordo internacional é “sensível”. Ressaltou, no entanto, que o ministério está trabalhando para adquirir imunizantes prontos, que não precisam ser fabricados no Brasil.

“Estamos trabalhando para conseguir 100 milhões de doses da Moderna para fortalecer ainda mais o nosso Programa Nacional de Imunização (PNI). Quando tiver um contrato definido, nós comunicamos. São negociações internacionais sensíveis, nós podemos antecipar e estamos negociando com a Moderna, bem como buscando antecipação de doses prontas”, afirmou.

O titular da Saúde também agradeceu aos Estados Unidos pela doação de vacinas a países da América Latina, incluindo o Brasil.

medida foi anunciada pelo presidente norte-americano, Joe Biden, na última quinta-feira (3/6).

Serão seis milhões de imunizantes entregues pelo consórcio internacional Covax Facility, da Organização Mundial da Saúde. Queiroga disse que ainda não sabe quantas doses e quais imunizantes o Brasil receberá.

“Não sei ainda o número exato de doses que vão chegar [dos EUA], e isso vai ser por partes. Quando tivermos um número exato nos falamos para vocês, mas já é uma excelente notícia”, declarou.

O ministro também falou que as 3 milhões de doses da Janssen, antecipadas para o mês de junho, fortalecerão a campanha de imunização no Brasil.

O imunizante da Moderna é eficaz contra a Covid-19 com apenas uma aplicação. Portanto, 3 milhões de vacinas equivalem a 3 milhões de pessoas protegidas.

O país tem um contrato de 38 milhões de vacinas firmado com a farmacêutica. As doses estavam previstas para o fim do ano, mas parte das vacinas deve chegar ao território nacional até o fim de junho.

Deu em Metrópoles

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista