Redes Sociais 22/04/2021 09:40

Pessoas confiam menos em notícias nas redes sociais, indica relatório

Local “divisível e não confiável”. Preferem figuras que polarizam. No Brasil, muitos criticam a TV

Relatório de confiança das notícias divulgado pelo Reuters Institute indica que as pessoas tendem a confiar menos em notícias publicadas em redes sociais.

O motivo disso é a percepção de que as plataformas tem informações “divisíveis, não confiáveis e até perigosas”.

Eis a íntegra do relatório (2 MB).

O estudo, feito em parceria com o instituto de pesquisa YouGov, entrevistou 132 pessoas em 4 países: Brasil, Reino Unido, Estados Unidos e Índia.

A amostragem pequena não permite que os resultados traduzam estatisticamente a realidade, mas apresenta um panorama sobre como a audiência enxerga o trabalho da imprensa e como forma seus posicionamentos.

Para quem tem visão mais neutra em relação às organizações de notícias, a busca por informação é uma consequência da navegação nas mídias sociais. Não é o objetivo primário. Consideram que a abundância de notícias on-line é “desafiadora ou opressora”, segundo o relatório.

“Muitos valorizam a conveniência de obter notícias por meio de mídias sociais, mecanismos de pesquisa ou aplicativos de mensagens, mas encontrar notícias geralmente era uma preocupação secundária”, afirma o estudo.

A polarização –fenômeno protagonista nas redes sociais– também influencia muito na opinião pública. “As figuras polarizadas da mídia geralmente se destacam”, diz o relatório. O trabalho de jornalistas opinativos com viés explícito é mais notado pela audiência. Quando citam nomes de jornalistas, os entrevistados tendem a priorizar os opinativos em relação a âncoras, como antes.

Mesmo assim, os entrevistados disseram que preferem consumir notícias imparciais. Chegaram a citar profissionais que discordavam por não seguir este princípio. Objetividade e equilíbrio são outros pontos enumerados para descrever o que consideram um jornalismo confiável.

Para parte da amostra, grandes empresas de mídia são movidas por interesses ocultos, sejam eles comerciais ou político partidários. Os interesses ocultos geralmente refletem algo que contrasta com o viés ideológico e políticos da audiência, aponta o estudo. O grupo também critica a forma como setores da sociedade são tratados pela mídia em geral. Poucos acreditam que os veículos são ditados a partir de processos editoriais.

A pandemia da covid-19 parece ter pouco efeito na visão das pessoas sobre as notícias. Apesar de alguns citarem incongruências sobre a cobertura de saúde e como a cobertura da pandemia pode ser “emocionalmente desgastante”, poucos citaram o coronavírus diretamente como um agente de impacto na qualidade das notícias. As visões pré-existentes (positivas ou negativas) sobre o trabalho da imprensa não mudaram por conta da pandemia.

MÉTODO

Dentre os 132 entrevistados pelo Reuters Institute e pelo YouGov, 70 deles participaram de uma dinâmica de grupo divididos quase igualmente entre quem acredita mais e quem acredita menos nas notícias. Estas reuniões foram realizados em chats similares a aplicativos de mensagens e duraram 90 minutos cada. De 18 a 21 de janeiro de 2021.

Os 62 entrevistados restantes participaram de entrevistas individuais com abordagens mais específicas, realizadas em plataformas de conversas por vídeo. De 25 de janeiro a 27 de fevereiro.

O relatório informa que os entrevistados fazem parte de um grupo socioeconômico mais privilegiado, principalmente por conta da tecnologia necessária para o estudo em meio à pandemia. Foram escolhidas pessoas com acesso à internet banda larga, que normalmente vivem em áreas urbanas e com bom índice de educação.

BRASIL

Os entrevistados no Brasil expressaram opiniões opostas acerca do trabalho da grande mídia. Alguns expressaram confiança nos grupos Globo Folha –entre os motivos, a tradição dos mesmos, há décadas no mercado.

Junto com indianos, brasileiros disseram que pedem sugestões a amigos e familiares sobre veículos que devam confiar na hora de se informar.

Há quem diga que a imprensa tradicional mais desinforma do que informa:

“Hoje em dia não assisto mais ao noticiário da TV. Parei de fazer isso durante a pandemia. Eu prefiro a verdade. Temos observado muitas informações falsas circulando. Por exemplo, tenho um amigo em Brasília que nos conta o que vê. Nesse grupo, cada um mora em uma parte do Brasil, então contamos aos outros o que vemos, não o que vemos na TV”, disse uma entrevistada brasileira de 49 anos.

Por outro lado, há visões críticas similares acerca das redes sociais. Alguns destes afirmam que as reportagens com imagens dão o embasamento necessário para a verossimilidade da notícia. Algo que as redes sociais muitas vezes não concedem.

Até os anúncios são um fator para determinar a confiança das notícias. Um entrevistado disse que prefere acessar sites com menos publicidade exposta para evitar a “poluição visual”.

Outro entrevistado citou a covid-19 para defender sua visão crítica à imprensa. Disse que a pandemia é um assunto repetitivo na mídia, abordando corrupção, lockdown, e “erros” de Bolsonaro. “Eles estão sempre repetindo as mesmas coisas. Sempre insistindo nas mesmas informações, mas com um ângulo diferente. É cansativo ouvir isso”, declarou. Assim como na Índia, há a visão de que as notícias não repassam as informações que fazem diferença no dia a dia das pessoas.

Programas que focam muito na violência, como o Brasil Urgente, da Band –citado por um entrevistado– também afastam pessoas das notícias, assim como a percepção de um viés tendencioso. Uns acreditam que notícias que trazem estatísticas, gráficos e perspectivas antagônicas beneficiam a visão da audiência.

Mesmo com as críticas aos jornalistas, poucos entrevistados conseguiram citar o nome de um profissional. Segundo o relatório:

“Isso ressalta uma das diferenças entre esses países: na Índia, onde os noticiários da TV pareciam especialmente propensos a ser vistos como um meio de entretenimento, os nomes dos jornalistas eram mais facilmente lembrados. Mas no Brasil, nos Estados Unidos e no Reino Unido, o conteúdo das notícias em si parecia ofuscar detalhes como a identidade dos repórteres”.

Relembrando, a pesquisa do Reuters Institute tem uma amostra qualitativa e não quantitativa. No Brasil, foram só 31 entrevistados, parcela ínfima da população e incapaz de ser convertida em pesquisa nacional.

Deu em Poder360
Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista