Artigo 04/11/2020 07:19

Seja Trump ou Biden o eleito, a grande derrotada nas eleições dos EUA é a mídia

Público vê viés dos meios.Imprecisão seria proposital. Descrédito está crescendo

Seja Joe Biden ou Donald Trump vencedor das eleições americanas desta terça, já há um grande perdedor da batalha que o republicano travou durante quatro anos contra jornalistas, gritando “fake news” sempre que ouvia uma notícia que não lhe interessava: é a própria mídia.

Trump é um manipulador nato, de quem não se compra uma bicicleta usada, mas a sua pregação encontrou terreno fértil entre os americanos.

Pesquisa do instituto Gallup e a The Knight Foundation mostra que está crescendo o percentual daqueles que acreditam que a mídia é tendenciosa e age de acordo com uma pauta de prioridades própria. Interesse público, o fundamento básico do jornalismo e da democracia, deixou de ser a estrela-guia de TVs, rádios, jornais e sites.

Três quartos dos americanos (exatos 73%) dizem que a cobertura enviesada da mídia é o principal problema das notícias que leem, de acordo com o levantamento. Em 2017, esse percentual era de 65%, segundo pesquisa feita pelos mesmos parceiros.

As imprecisões das notícias são intencionais, segundo 80% dos americanos.

Os erros, enganos ou equívocos são vistos como parte da agenda da mídia para influenciar os leitores a adotar o mesmo ponto de vista do meio de comunicação. Só 13% consideram que as impropriedades são fruto de ingenuidade.

Há um descrédito total percentual na imparcialidade e objetividade. Quando se pergunta se os meios de comunicação estão tentando influenciar os seus leitores a adotar uma certa opinião, 79% responderam positivamente.

O complemento dessa visão é mais ou menos óbvia. Três quartos dos americanos afirmam temer que as coberturas são influenciadas pelos donos desses veículos.

Há algo que parece ainda mais grave. Republicanos e democratas têm visões opostas sobre a mídia, mostrando que a influência de Trump sobre a sua freguesia foi mais deletéria do que se imaginava.

Entre os republicanos, 71% têm uma opinião extremamente negativa de jornais, rádios, TVs e sites.

Os filiados ao partido de Trump seguem cegamente a opinião do chefete. Já entre os democratas, o percentual de visão desfavorável é de 22%. Os independentes estão no meio do caminho: 52% têm opinião bastante negativa sobre a mídia.

O engraçado é que a maioria dos americanos concorda que o jornalismo está sob ataque político, mas, quando questionados se isso é justificável, abre-se um abismo entre democratas e republicanos.

Enquanto 70% dos ligados ao Partido Democrata consideram os ataques injustificáveis, 61% dos republicanos afirmam que os ataques são, sim, justificados pelo comportamento da mídia.

É óbvio que Trump tem culpa nessa terra devastada, mas seria profundamente ingênuo atribuir a ele todos os males da mídia. A relação dos meios com seu público, que andava levemente enferrujada desde os anos 1970, sofreu um abalo sísmico com a chegada da internet nos anos 1990 e a redes sociais na década seguinte.

Não se trata de competição entre meios.

Foi uma guerra comercial de extermínio, sobretudo do Google Ads e da política de micro-alvos do Facebook, capaz de direcionar um anúncio com precisão de um atirador de elite.

Desde 2004 fecharam 2.100 jornais nos Estados Unidos, segundo pesquisa de Penny Abernathy, da Universidade da Carolina do Norte.

A imprensa local, essencial para manter os laços comunitários e fiscalizar o prefeito e a Câmara, praticamente desapareceu. Entre os jornalões, a debacle significou menos dinheiro para investir em jornalismo de qualidade. Conta-se nos dedos da mão as exceções como o New York Times e Washington Post. Nunca a imprensa americana passou por um período de tamanho pauperismo.

Há ainda o caldo cultural das teorias conspiratórias, um credo que cresce em todo o mundo, mas é particularmente feroz nos Estados Unidos.

Foi essa crença que disseminou a ideia aparentemente libertária de que você precisa conhecer a verdade por meios próprios, já que o governo e as grandes corporações manipulam tudo, de acordo com os conspiracionistas. Começou como um movimento de malucos, espalhou-se pela internet e pode chegar, finalmente, ao Congresso dos Estados Unidos.

Há 44 candidatos ligados ao QAnon, um movimento de lunáticos que acredita que os democratas e o establisment americano é composto por pedófilos satanistas, que só podem ser derrotadas por uma única pessoa no mundo: Donald Trump.

Para não acabar este artiguete com um vale de lágrimas, encontrei um lado positivo no modo como republicanos manipulam e fraudam informações.

Os americanos confiam ainda menos nas redes sociais. A desconfiança com Facebook e Google é ainda maior do que os 73% que apontam a mídia como tendenciosa: os descrentes somam 84%, segundo outra pesquisa da Knight Foundation.

Ao menos para isso a eleição de 2016, marcada por manipulações via Facebook, serviu.

Deu em Poder360

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista