Economia 20/10/2020 17:58

Mirando 5G, Brasil e EUA fecham memorando de US$ 1 bilhão em investimentos

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, e a presidente do Exim Bank (Banco de Exportações e Importações dos EUA), Kimberly Reed, assinaram nesta 3ª feira (20.out.2020) memorando de entendimento para investimentos na instituição financeira no Brasil. O acordo pode gerar créditos de até US$ 1 bilhão em diversas áreas, especialmente a de telecomunicações com foco na tecnologia 5G.

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, e a presidente do Exim Bank (Banco de Exportações e Importações dos EUA), Kimberly Reed, assinaram nesta 3ª feira (20.out.2020) memorando de entendimento para investimentos na instituição financeira no Brasil. O acordo pode gerar créditos de até US$ 1 bilhão em diversas áreas, especialmente a de telecomunicações com foco na tecnologia 5G.

O documento foi assinado em cerimônia no Palácio do Itamaraty em Brasília que reuniu, além de Guedes e Reed, o presidente Jair Bolsonaro; o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo; e o conselheiro de Segurança dos EUA, Robert O’Brien.

“Hoje nós assinamos com o ministro Guedes e com a Kim Reed 1 memorando de entendimento para identificar setores de desenvolvimento de negócios que irá levar a mais US$ 1 bilhão em financiamento do Exim Bank.

Especialmente na área de telecomunicações e do importante 5G, a moderna nova rede de telecomunicações que o Brasil terá em breve”, discursou O’Brien.

Ele também elogiou a relação entre o Brasil e os EUA. “Hoje nossas nações estão mais próximas que nunca. Eu não acredito que nós nunca tivemos uma relação melhor com o Brasil da que os Estados Unidos têm hoje”.

A presidente do Exim Bank também elogiou o acordo firmado. Disse que o presidente dos EUA, Donald Trump, está comprometido com a prosperidade econômica e a segurança nacional.

“Trabalharemos juntos no desenvolvimento de negócios em telecomunicações, incluindo os novos avanços em 5G, energia, incluindo nuclear, e renovação das formas de energia, com gás e óleo. Infraestrutura, logística, mineração, manufaturas”, afirmou.

“É uma aliança entre os 2 países. Trabalharemos em conjunto para opções de financiamento, de garantias e seguro de exportações para o Brasil de US$ 1 bilhão”, completou.

Por trás do interesse do 5G brasileiro está uma disputa entre os norte-americanos e os chineses. Apesar do esforço dos EUA para conter o avanço da Huawei Technologies Co, a empresa tornou-se a maior fornecedora mundial de equipamentos de telecomunicações para rede 5G, com 91 contratos em todo o planeta.

O diplomata Todd Chapman, embaixador dos Estados Unidos no Brasil, afirmou em setembro que os norte-americanos querem que a tecnologia 5G no Brasil seja distribuída por “fornecedores que sejam realmente de confiança”, se referindo aos chineses.

No mesmo mês, o presidente da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), Leonardo Euler de Morais, disse que a crise econômica causada pela pandemia da covid-19 afetou mais do que apenas cronograma do leilão da tecnologia de 5ª geração (5G) para os aparelhos móveis.

INVESTIMENTOS E PARCERIAS
Na 2ª feira (19.out), O’Brien anunciou que a DFC (Corporação Financeira dos EUA para o Desenvolvimento Internacional) irá investir no Brasil. A declaração foi feita após uma reunião com o presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf. Eles se encontraram na sede da entidade.

O representante norte-americano também falou sobre a relação entre os governos do Brasil e dos Estados Unidos. “O povo americano ama o povo brasileiro e o contrário também é verdade. E acho que a relação entre o presidente Trump e o presidente Bolsonaro demonstra muito bem isso, então é 1 prazer estar aqui e anunciar mais coisas em breve“, afirmou O’Brien.

No mesmo dia, em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro discursou em abertura de 1 evento organizado pela Câmara de Comércio Brasil-EUA. Ele pediu para que os norte-americanos analisem as opções de investimentos no Brasil e prometeu reformas.

“Sabemos a enorme importância dos investimentos americanos em vários setores da economia brasileira. Convidamos os investidores a examinar atentamente a carteira de programa de parcerias de investimentos, o PPI, e a conhecer melhor as oportunidades que o Brasil oferece em matéria de concessões e privatizações”, declarou o presidente em discurso gravado.

“O governo brasileiro continuará a colocar em marcha a sua ambiciosa agenda de reformas. Já fizemos a reforma da Previdência, que muitos consideravam impossível. O próximo passo será a aprovação da reforma administrativa, que tem o objetivo de modernizar a gestão pública e resultará em economia de cerca de R$ 300 milhões ao Estado nos próximos 10 anos”, completou.

Na oportunidade, Bolsonaro também anunciou a assinatura de 3 acordos comerciais com os EUA. O Brasil e os Estados Unidos firmaram nesta 2ª feira (19.out) 1 pacote de medidas para acelerar e desburocratizar o comércio entre os 2 países. O acordo é subdividido em 3 categorias: facilitação de comércio, boas práticas regulatórias e anticorrupção.

Deu em O Poder360

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista