Judiciário 18/07/2020 07:37

Parentes de vítimas do Covid-19 na Itália entram na Justiça contra as autoridades

Stefano Fusco diz ser teimoso como o avô. "Quando decido fazer algo, vou até o fim, haja o que houver", afirma. Pena que o avô não pode ver o que ele aprontando está desta vez, diz ele. Antonio Fusco morreu aos 85 anos no dia 11 de março, vítima de um infarto dias após ser diagnosticado com covid-19 no norte da Itália.

Stefano Fusco diz ser teimoso como o avô. “Quando decido fazer algo, vou até o fim, haja o que houver”, afirma.

Pena que o avô não pode ver o que ele aprontando está desta vez, diz ele. Antonio Fusco morreu aos 85 anos no dia 11 de março, vítima de um infarto dias após ser diagnosticado com covid-19 no norte da Itália.

Agora, os italianos Stefano, de 31 anos, e seu pai, Luca, de 58, estão liderando um movimento de denúncia contra a omissão das autoridades em seu país frente à maior pandemia desta geração.

A Itália foi o segundo epicentro da pandemia, com uma rápida ascensão de casos e histórias de pessoas que morreram por falta de respiradores disponíveis para todos.

Foram quase 35 mil mortos.

A ideia era juntar ali histórias de vida como essa, convidando familiares que perderam seus entes queridos a contarem outras histórias das vítimas da pandemia.

Mas, além de compartilhar essas histórias, participantes passaram a se queixar da negligência de autoridades. Para eles, isso contribuiu para a perda de vidas no norte da Itália que poderiam ter sido salvas. O grupo virou então o “Noi Denunceremo”, ou “Nós denunciaremos”.

“Para garantir que, se alguém tem responsabilidades, se alguém pode agir e não o fez, ele (ou eles) pagará criminalmente por suas ações e responderá por sua negligência”, diz a descrição do grupo.

Familiares defendem que locais onde o vírus circulava deveriam ter sido isolados mais cedo.

Deu na BBC

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista