Brasil 02/05/2020 06:57

Pesquisa indica que a demissão do ex-ministro Sergio Moro dividiu os brasileiros

Segundo o estudo, 46% acham que a saída do ex-juiz foi boa ou em nada muda para o presidente Jair Bolsonaro, enquanto 40% avaliam que a demissão foi ruim.

Pesquisa DataPoder360 indica que a demissão do ex-ministro Sergio Moro dividiu a opinião dos brasileiros.

Segundo o estudo, 46% acham que a saída do ex-juiz foi boa ou em nada muda para o presidente Jair Bolsonaro, enquanto 40% avaliam que a demissão foi ruim.

Outros 14% não souberam responder.

Moro deixou o governo em 24 de abril numa reação à decisão de Bolsonaro exonerar o então diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. Em seu discurso de despedida, o ex-juiz acusou o presidente de tentar interferir politicamente na PF.

Bolsonaro negou as acusações e afirmou que Moro condicionou a demissão de Maurício Valeixo a uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal).

A pesquisa foi realizada de 27 a 29 de abril pelo DataPoder360divisão de estudos estatísticos do Poder360, em uma parceria editorial do jornal digital Poder360 e o jornal “A Tarde”, de Salvador (BA).

O levantamento teve patrocínio da Associação Comercial da Bahia.

Foram realizados 2 levantamentos simultâneos –1 nacional e outro apenas no Estado da Bahia, ambos por meio de ligações para celulares e telefones fixos.

No levantamento nacional, foram entrevistadas 2.500 pessoas de 472 municípios nas 27 unidades da Federação. Na Bahia, foram entrevistadas 2.500 pessoas em 211 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais e o intervalo de confiança é de 95%.

Dentro da pesquisa realizada no Estado da Bahia, foi destacado o recorte de 800 pessoas residentes em Salvador. Para os resultados do estudo na capital, a margem de erro é de 3,5 pontos percentuais. Conheça mais sobre a metodologia lendo este texto.

Leia os relatórios completos dos resultados no Brasil (3 MB), na Bahia (3 MB) e em Salvador (2 MB).

A saída de Moro indica uma divisão entre os baianos. Os residentes em Salvador têm visão mais negativa à saída do ex-juiz: quase metade (47%) acha que a demissão será ruim para Bolsonaro. Na Bahia inteira, a taxa cai para 37%.

A parcela mais rica dos brasileiros, a mesma que agora se desprende do governo, também é a mais crítica ao presidente em relação à saída de Moro. No estrato dos que ganham mais de 10 salários mínimos (equivalente a R$ 10.045), 65% acham que a demissão foi ruim para o governo.

O levantamento também mediu o quanto o ex-ministro é conhecido pela população. Só 28% dizem conhecer bem Moro. A maioria dos brasileiros (55%) diz que só o conhece de “ouvir falar”. Outros 17% dizem não conhecer o ex-juiz da Lava Jato na 1ª Instância.

Na Bahia, a taxa de conhecimento de Moro cai para 24%. Entre os habitantes de Salvador, sobe para 34%. O que isso indica? Que o ex-ministro é uma personalidade muito mais conhecida em centros urbanos do que no interior do país.

saída conflituosa de Moro do governo pode ser 1 dos fatores que tenha provocado a queda de 8% na aprovação do governo Bolsonaro em 15 dias. Mas há outros aspectos que talvez tenham sido mais relevantes nas últimas duas semanas: 1) o aumento das mortes por covid-19 (o Brasil superou a China) e 2) as imagens recorrentes no noticiário de caixões e de hospitais lotados.

Da mesma maneira do que foi observado na percepção da saída de Moro do cargo, os mais ricos (10+ salários mínimos) são os mais favoráveis a uma deposição de Bolsonaro por possível interferência na PF. Neste estrato, 60% dos brasileiros responderam “sim” à pergunta.

Os mais instruídos, com nível superior, seguem a tendência: 57% querem o presidente fora.

Deu em Poder360

 

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista