Sem categoria 19/10/2017 14:00

Defesa de Godeiro acusa Thompson de manipulação

O advogado do ex-desembargador Rafael Godeiro, Caio Graco, criticou duramente o conselheiro Carlos Thompson Fernandes, do Tribunal de Contas do Estado, a quem acusa de manipular o julgamento que resultou na condenação de Godeiro e do também ex-desembargador Osvaldo Cruz no escândalo dos precatórios.

O advogado do ex-desembargador Rafael Godeiro, Caio Graco, criticou duramente o conselheiro Carlos Thompson Fernandes, do Tribunal de Contas do Estado, a quem acusa de manipular o julgamento que resultou na condenação de Godeiro e do também ex-desembargador Osvaldo Cruz no escândalo dos precatórios.
Graco diz que o conselheiro desrespeitou o regimento do tribunal ao reter o processo, mas não indicou por quais razões o conselheiro poderia ter feito isso. Thompson afirmou não vai se manifestar. O TCE afirma que obedeceu o processo legal.
Na sessão que resultou na condenação dos ex-magistrados e mais oito, nessa quarta-feira (18), Thompson abriu voto divergente do relator, Paulo Roberto Chaves, e defendeu a responsabilização dos desembargadores. Dois conselheiros e um auditor acompanharam seu voto. Apenas mais um voto se somou à tese da relatoria, resultando no placar de quatro votos a dois pela condenação.
“O que acontece é que Thompson praticou uma série de irregularidades. Quando ele acusa os desembargadores de negligentes, a justificativa que ele deu é contraditória no sentido da decisão dele”, principiou o advogado.
No raciocínio de Caio Graco, é inconcebível a acusação feita contra os ex-magistrados conforme defendeu  Carlos Thompson. “Eu quero saber se quando ele presidiu o TCE, ele checava documento por documento que assinava. Gestor tem pessoas de confiança para isso. É muito fácil tomar decisões de gabinete sem considerar as circunstâncias”, criticou o advogado.
Caio Graco diz que Thompson conhecia o processo há pelo menos três anos, tendo sido relator do caso anteriormente. Para o advogado, Thompson feriu o regimento ao reter o caso por 10 meses.
“Ele pediu vistas após o voto do relator. Ele tinha que ter trazido o processo de volta para julgamento após duas sessões. Não sei o que se passou na cabeça dele, mas com certeza ele manipulou dentro do tribunal para esse resultado”, acusou o advogado.
Outro lado
Carlos Thompson Fernandes informou que não vai se manifestar.
Em nota, o TCE afirmou que não houve desrespeito ao processo legal. A corte afirma que “o julgamento obedeceu rigorosamente os ditames constitucionais e legais que regem o Tribunal de Contas,  e não fugiu ao que ocorre rotineiramente nas diversas Cortes do Estado e do País, inclusive no Supremo Tribunal Federal”.
Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista