Sem categoria 10/10/2017 09:19

O que pensam as religiões sobre a ameaça de desemprego nas facções?

Passados dias da polêmica sugestão do Ministério Público do Trabalho em multar a indústria Guararapes por sua participação nas faccções, dentro do Projeto Pró-Sertão, praticamente todos os setores da sociedade já se manifestaram de alguma forma sobre o tema.

Passados dias da polêmica sugestão do Ministério Público do Trabalho em multar a indústria Guararapes por sua participação nas faccções, dentro do Projeto Pró-Sertão, praticamente todos os setores da sociedade já se manifestaram de alguma forma a respeito do tema.
Os empresários, as instituições, a Guararapes, as Centrais Sindicais, a mídia, o Ministério Público do Trabalho, através da sua associação nacional, os faccionistas, os operários destas pequenas fábricas no interior, lideranças políticas, o comércio e a população também abriu debates.
Mas até agora não se ouviu (pelo menos no alarido que costuma fazer) uma palavra da Igreja Católica sobre o assunto.
Nem no Seridó e nem na Arquidiocese de Natal.
Interessa para as religiões o emprego destas pessoas?
Qual a razão deste silêncio?
Onde fica a missão de defender o trabalhador simples do campo?
Enfim, qual é mesmo a posição da Igreja Católica, dos Evangélicos e demais religiões sobre a polêmica decisão que pode levar até 5 mil pessoas ao desemprego?

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista