Sem categoria 12/07/2017 08:50

"O sindicalismo pelego está chorando", diz Rogério Marinho

Relator do projeto de modernização das leis trabalhistas na Câmara, o deputado federal Rogério Marinho (PSDB) celebrou a aprovação da matéria no Senado, durante sessão realizada nesta terça-feira (11), por 50 votos a 26. O parlamentar enfatizou a importância da atualização da CLT para o país e disse que a medida contribuirá para que o Brasil volte aos trilhos do desenvolvimento econômico nos próximos anos.

Relator do projeto de modernização das leis trabalhistas na Câmara, o deputado federal Rogério Marinho (PSDB) celebrou a aprovação da matéria no Senado, durante sessão realizada nesta terça-feira (11), por 50 votos a 26.
O parlamentar enfatizou a importância da atualização da CLT para o país e disse que a medida contribuirá para que o Brasil volte aos trilhos do desenvolvimento econômico nos próximos anos.
“Certamente o corporativismo está chorando, o sindicalismo pelego está chorando. Mas vai ser muito bom para o Brasil e para as gerações futuras. Viva o Brasil!”, disse o deputado federal durante discurso no plenário da Câmara, recebendo aplausos dos demais parlamentares presentes.
Rogério ainda relembrou a “forma deprimente” com que o dia começou. “Assistimos à barbárie instalada na Casa do Senado da República, em que senadoras do PT tomaram de assalto a Mesa Diretora para impedir, de uma forma truculenta, que houvesse a votação democrática de um projeto de lei que tramitava naquela Casa”.
O projeto de modernização das leis trabalhistas foi encaminhado ao Congresso Nacional com apenas cinco pontos. Escolhido relator, o deputado Rogério Marinho ampliou a matéria para cerca de 200 alterações na CLT, medidas que permitirão uma maior flexibilidade na lei, fortalecendo o acordo entre patrões e empregados e favorecendo a geração de empregos.
Um dos pontos mais polêmicos acrescentados por Rogério no projeto é o fim do imposto sindical obrigatório, que movimenta milhões de reais todos os anos ao descontar o pagamento de um dia de trabalho de todos os brasileiros uma vez por ano.
A partir de agora, o imposto passa a ser opcional.
Fonte e foto: Assessoria

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista