Sem categoria 04/05/2017 05:07

Palocci avalia melhor hora para iniciar delação

O habeas corpus concedido ontem pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) ao ex-ministro José Dirceu dará um outro ritmo aos acordos de delação premiada costurados por outro petista de peso: o também ex-ministro Antonio Palocci.

O habeas corpus concedido ontem pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) ao ex-ministro José Dirceu dará um outro ritmo aos acordos de delação premiada costurados por outro petista de peso: o também ex-ministro Antonio Palocci.
Segundo apurou o Correio, Palocci já separou alguns documentos que poderão servir de anexos para embasar o que falará ao juiz Sérgio Moro. Mas o timing, a partir de agora, será redesenhado.

Palocci passou quase oito horas, nos últimos dois dias, reunido com o advogado Tracy Reinaldet — sócio de Adriano Bretas no escritório contratado para definir os termos da delação premiada à força-tarefa da Operação Lava-Jato.
No encontro de segunda, dia 1º, as primeiras linhas da proposta de delação começaram a ser delineadas.
Mas o ex-czar da economia no governo Lula e da Casa Civil na gestão Dilma não abandonou seu antigo defensor, José Roberto Batocchio, que é frontalmente contrário à delação. Interlocutores do ex-ministro afirmam que ele trabalha com todas as hipóteses à frente.
Na segunda-feira, ele havia sido questionado por pessoas próximas se a possibilidade de liberdade de Dirceu por intermédio de um habeas corpus poderia fazê-lo desistir de um acordo de delação. Esses mesmos aliados disseram que ele se mostrou evasivo e, mesmo assim, manteve a disposição de separar documentos e informações importantes.
“O Palocci é um jogador. Claro que, com Dirceu solto, ele pode esperar para definir os rumos. Poderá, inclusive, fazer a delação em liberdade, como uma forma de reduzir uma possível pena futura”, disse ao Correio um jurista que acompanha de perto o processo de Palocci.
Deu no Correio Braziliense
Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista