Sem categoria 04/08/2014 04:49

As dificuldades de Dilma nos grandes estados

Por fatorrrh_6w8z3t

Na eleição presidencial deste ano, Dilma Rousseff (PT) terá dificuldades maiores do que em 2010 em regiões que agregam mais da metade do eleitorado.
A presidente também enfrenta cenário adverso na economia. Em 2010, o Brasil cresceu 7,5%. Em 2014, a previsão é de 1%, ou menos.
Há quatro anos, Dilma venceu José Serra (PSDB) no segundo turno com vantagem de 11 milhões de votos –sendo 10,7 milhões no Nordeste.
Bahia e Pernambuco, maiores colégios eleitorais da região, deram mais de 70% de votos à petista, embalados por candidaturas fortes que apoiavam Dilma.
Neste ano, o líder na corrida estadual na Bahia, Paulo Souto (DEM), com 42% de intenção de voto, apoia Aécio Neves (PSDB).
Em Pernambuco, Dilma já divide as intenções de voto com Eduardo Campos (PSB), ex-governador do Estado e seu ex-aliado.
Em 2010, Dilma venceu em Minas Gerais, segundo maior colégio eleitoral do país. Neste ano, quem lidera as pesquisas no Estado é Aécio Neves (PSDB), ex-governador.
Além de Bahia, Pernambuco e Minas, a presidente não tem aliados fortes em São Paulo, Paraná e no Rio Grande do Sul.
Ao lados dos problemas políticos, Dilma enfrenta um atoleiro econômico.
Em 2010, o Nordeste crescia a taxas chinesas. Na época da eleição, as vendas no comércio avançavam em um ritmo anualizado de 12%. Atualmente, esse ritmo é de pouco mais de 6%.
“Na média, os indicadores são muito mais desfavoráveis [para o PT] nesta eleição, na comparação com 2010”, afirma Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados.
Embora a taxa de desemprego em 2010 fosse próxima da atual, o ritmo de criação de novas vagas formais teve forte queda.
unnamedfsp1Editoria de Arte/Folhapress
FRAGILIDADES
Para o cientista político Carlos Ranulfo, da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), Dilma deve enfrentar o segundo turno nesta eleição. “Mas entrará em piores condições do que o PT em disputas anteriores”, diz.
“Dilma está fragilizada e desgastada, fato que não existia em 2010, quando Lula ‘bombava'”, completa.
Neste ano, o ex-presidente Lula voltará a ter papel importante na disputa eleitoral, principalmente no Nordeste, acredita Fernando Abrucio, cientista político da FGV-SP.
Entre a penúltima e a última pesquisa do Instituto Datafolha, Dilma recuou de 55% para 49% das intenções de voto no Nordeste.
Deu na FSP
Por Fermando Canzian

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista