Sem categoria 26/05/2014 11:32

Lava-Jato é ação criminosa internacional

Por fatorrrh_6w8z3t

Deu em Zero Hora
Ao manter na prisão os doleiros envolvidos na Operação Lava-Jato, o Supremo Tribunal Federal (STF) foi avisado de que o esquema de contravenção vai além da corrupção política.
As 6.620 páginas do inquérito a que ZH teve acesso expõem as vísceras de uma intrincada rede criminosa, que envolve empresas de fachada, lavagem de dinheiro e tráfico de drogas.
O alvo não era Alberto Youssef, o doleiro que ganhou destaque por suas relações com o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e com o deputado André Vargas (sem partido-PR), mas sim Carlos Habib Chater, um antigo frequentador da carceragem desde os anos 1990.
A partir do inverno de 2013, a Polícia Federal interceptou centenas de mensagens e telefonemas — inclusive em árabe — de Habib, conhecido em Brasília por suas relações com o ex-deputado José Janene (PP-PR), envolvido no mensalão e falecido em 2010.
A movimentação financeira do doleiro impressiona. Sua base é o Posto da Torre, tradicional ponto de venda de combustíveis no coração da capital federal. Ali, cartão de crédito não é aceito.
O pagamento é à vista, o que, segundo a PF, facilita a mistura de dinheiro limpo com o sujo. O rastro da dinheirama movimentada por Habib por meio da Valortur Câmbio e Turismo envolve bancos e offshores de paraísos fiscais, o submundo das drogas na Bolívia, e chega até a China, com operações junto a empresas de fachada em Hong Kong.
Em um dos diálogos captados pela PF, Habib é consultado por um cliente que deseja mandar 20 milhões de euros para as Bahamas. Em outro, pergunta ao interlocutor sobre uma farra com uma prostituta loira de Istambul que o “mestre” vai trazer.
Ricardo Rosado de Holanda



-

Descrição Jornalista