Sem categoria 22/11/2013 05:54

Denúncia de ex-diretor da Siemens envolve PSDB e DEM

Por fatorrrh_6w8z3t

Deu no G1
A denúncia feita pelo ex-diretor da Siemens Everton Rheinheimer sobre caixa 2 durante os governos tucanos de Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra envolve os nomes de políticos do PSDB, do DEM, do PPS, do PTB, do PSB e do PMDB. Todos os envolvidos negam as acusações.
Rheinheimer disse, em relatório entregue em 17 de abril ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que possui “documentos que provam a existência de um forte esquema de corrupção no estado de São Paulo” durante os governos tucanos de Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra, segundo reportagem publicada nesta quinta (21) pelo jornal “O Estado de S. Paulo”.
No texto, o ex-funcionário disse que o arranjo “tinha como objetivo principal o abastecimento do caixa 2 do PSDB e do DEM”.
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse nesta quinta-feira (21) que pediu acesso ao depoimento.
“Eu já determinei ao corregedor-geral, Dr. Gustavo Hungaro, para que requisite imediatamente ao Cade e à Polícia Federal todas as informações. Isso tem mais de um ano e meio e é anterior ao chamado acordo de leniência e nós nunca tivemos informação a esse depoimento”, afirmou o governador.
Alckmin disse ainda que não vê “sentido” em afastar secretários sem acesso aos documentos que comprovariam as suspeitas de irregularidades.

arte_cartel_siemens_metro_sp (Foto: Editoria de Arte / G1)

“Não tem sentido fazer o afastamento se você não teve nem acesso aos documentos. Nós já deveríamos ter tido acesso a isso. Esse documento antecede o acordo de leniência, era tempo mais do que suficiente para tudo ser apurado, provas serem verificadas, medidas serem tomadas e nós sermos comunicados”, comentou o governador.
Everton Rheinheimer foi diretor da divisão de transportes da Siemens e deixou a empresa em março de 2007, após 22 anos. Ele afirmou ter escrito a carta anônima enviada em 2008 ao ombudsman da Siemens, denunciando o esquema. Segundo o jornal, ele disse que a empresa preferiu “abafar o caso”. As acusações feitas por Rheinheimer foram enviadas pelo Cade à Polícia Federal, que anexou o documento ao inquérito que apura o cartel em licitações de trens e do Metrô em São Paulo e no Distrito Federal.
O deputado estadual Simão Pedro, do PT, reconheceu que encaminhou o ex-executivo da siemens ao Ministério Público em 2010, quando recebeu a denúncia. Mas disse que nunca intermediou um encontro com o presidente do Cade.
O Cade afirmou que não há qualquer irregularidade no acordo de cooperação que deu início à investigação do suposto cartel e que esse acordo não teve origem em denúncia apresentada por qualquer pessoa.
O secretário de Transportes, Jurandir Fernandes, negou nesta quinta-feira envolvimento com lobistas suspeitos de pagar propina. O secretário da Casa Civil de Alckmin, Edson Aparecido, disse que as acusações não têm fundamento. O senador Aloysio Nunes (PSDB) disse que conheceu e teve contato com Teixeira por “razões profissionais óbvias” há 20 anos, quando foi secretário de Transportes, mas em “período distante dessas denúncias agora apuradas”.
O deputado federal Walter Feldman, ex-PSDB e hoje no PSB, disse ao Jornal Nacional que está tranquilo, porque todas as campanhas eleitorais dele foram financiadas com dinheiro de fonte registrada. Ele acrescentou que pretende mover uma ação judicial contra quem citou o nome dele nas investigações.
O deputado estadual Campos Machado, do PTB, disse que considera leviana, absurda e ridícula a possibilidade de ter recebido qualquer dinheiro deste ou de qualquer outro esquema. Campos Machado disse ainda que tomará medidas judiciais cabíveis para resguardar a verdade.
Os outros políticos citados por Rheinheimer também negaram as denúncias.
Delação premiada
O ex-diretor é uma das seis pessoas ligadas à Siemens que assinaram, em maio, um acordo de leniência – delação premiada – em que revelam a existência do cartel. A empresa admitiu participar do esquema e espera, em troca da confissão, reduzir eventuais penas.
De acordo com o jornal, Rheinheimer disse que o então deputado Edson Aparecido, atual secretário da Casa Civil do governo Alckmin, foi apontado pelo lobista Arthur Teixeira como recebedor de propina das multinacionais suspeitas de participar do cartel em São Paulo entre 1998 e 2008. Aparecido coordenou a campanha de Alckmin ao governo, em 2002, e à prefeitura da capital, em 2008. Segundo a reportagem, o ex-diretor da Siemens também citou o deputado Arnaldo Jardim (PPS-SP) como outro beneficiário.
É o primeiro relatório oficial que faz referência a supostas propinas pagas a políticos tucanos ou ligados ao PSDB. Indiciado pela Polícia Federal por lavagem de dinheiro e evasão de divisas, Arthur Teixeira é suspeito de intermediar propina a agentes públicos através da empresa Procint Projetos e Consultoria Internacional.
Edson Aparecido disse que vai processar o denunciante por calúnia. “Não pode um sujeito como esse, sem prova alguma, fazer esse tipo de alegação”, disse, em entrevista ao SPTV nesta quinta-feira. Além de Aparecido, segundo a reportagem, o documento faz menção ao senador Aloysio Nunes (PSDB) e aos secretários estaduais José Aníbal (Energia), Jurandir Fernandes (Transportes Metropolitanos) e Rodrigo Garcia (Desenvolvimento Econômico). Eles são citados pelo ex-diretor da Siemens “como envolvidos com a Procint”, do lobista Arthur Teixeira.
Ao SPTV, Anibal disse que não conhece o ex-executivo da Siemens. Já Garcia informou que não tem envolvimento com o caso. Ele acrescentou que enxerga motivação política do ex-funcionário da Siemens ao fazer acusações falsas, nitidamente em troca de emprego.
Aloysio Nunes disse, em nota, que o período no qual se relacionou profissionalmente com Teixera não tem relação com as investigações em andamento. “Eu conheci o Teixeira via empresa dele há 20 anos quando fui secretário de transportes metropolitanos entre 91 e 94, quando tive  razões profissionais óbvias para ter contato com essa empresa de consultoria e demais empresas do setor, porque era minha função organizar a secretaria. Eu tinha que me relacionar com todos pra levar adiante meus projetos. Minhas relações com Teixeira são como as com os demais players desse mercado. Isso faz 20 anos, período distante dessas denúncias agora apuradas. Há equívoco no jornal”, afirmou.
O deputado Arnaldo Jardim, do PPS, disse que nunca ouviu falar de Rheinheimer e que estuda processá-lo por calúnia.
Jurandir Fernandes disse que mantém uma relação profissional com Teixeira. “Eu conheço o cidadão. Ele veio três vezes nesses 35 meses [do mandato] no meu gabinete. Duas vezes acompanhou um grupo de portugueses. E uma vez veio apresentar a empresa dele. Essa é a intimidade que tenho com ele.  […] O meu grau de relacionamento com esse cidadão foi e tem sido totalmente profissional.”
Em nota, o PSDB de São Paulo afirmou que repudia veementemente as acusações feitas contra o partido e apóia as investigações. O DEM disse, também em nota, que não há registro de contribuição da Siemens ao partido.
O governo de São Paulo disse que é o maior interessado no esclarecimento das denúncias e no ressarcimento dos cofres públicos e que a Corregedoria Geral da Administração vai punir com rigor o envolvimento de funcionários públicos em qualquer irregularidade.

Ricardo Rosado de Holanda



-

Descrição Jornalista

mais lidas