Sem categoria 11/07/2013 04:32

Onde a bicicleta tem vez

Por fatorrrh_6w8z3t

fotoal6
fotoal11
fotoal7
fotoal9
fotoal10
Ontem li que a Prefeitura de Natal pretende iniciar um projeto que regularize as calçadas de parte de Natal.
A providência, além de aliviar milhares de pessoas que andam a pé e usam as calçadas para sua locomoção, pode criar também o saudável hábito de se andar de bicicleta pelas ruas da cidade.
Na cidade de Liebzig, na Alemanha, onde estive na semana passada, chama a atenção a fortíssima presença das bicicletas como meio de transporte público.
Jovens, homens e mulheres de todas as idades, famílias inteiras usam as bicicletas. Em toda a cidade.
Mas notei que para que este sistema de transporte seja útil é preciso que a cidade disponha de calçadas planas, ruas sinalizadas, corredores próprios.
E olhe que lá o sistema de transporte público funciona de verdade. Quase não se percebe a presença do automóvel.
O Brasil entrou em convulsão no mês de junho e o estopim foi exatamente a precariedade dos nossos ônibus, metrôs, trens e trânsito em geral.
Lá tudo funciona integrado, sem disputa entre os meios de transportes.
O trem, uma espécie de Veículo Leve sobre Trilhos, leva o visitante ou o morador para qualquer lugar, de um jeito barato, rápido e eficiente.
E sem nenhum luxo ou exagero.
Mas funciona perfeitamente.
Voltando para as bicicletas.
Elas dominam a paisagem urbana de Liebzig, são respeitadas. Até o pedestre deve abrir espaço para as bicicletas. Estudantes, empresários, trabalhadores, professores, entregadores e turistas.
Em todos os locais há estacionamentos para as bicicletas. Alguns muito criativos, como um que vi em formato de espiral, em aço, na porta de um supermercado. Uma espécie de serpentina. O ciclista deixa a sua bicicleta “estacionada”.
Ela pode dormir lá.
Em alguns estacionamentos não vi sequer travas ou cadeados. Pernoitam livremente nas ruas.
Aí já é outro problema aqui no Brasil.
Na foto número um, exemplo de como a bicicleta recebe tratamento vip na cidade alemã. Em plena calçada foi aberto e sinalizado um corredor exclusivo.
O pedestre tem que andar sempre pela direita e recebe bronca se atrapalhar a passagem dos ciclistas.
Na foto número dois um estacionamento lotado.
Na número três a solução foi abrir faixa própria em plena avenida, reduzindo os espaços para os automóveis.
Nas fotos números 4 e 5, estacionamentos numa avenida e no acesso a um supermercado de Liebzig, cidade onde a bicicleta tem vez.

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista