Vacina 12/10/2021 09:15

Governo espera avanço da vacinação e impacto de variantes para liberar máscaras

Bolsonaro pressiona pelo fim da obrigatoriedade. Entenda os fatores que o Ministério da Saúde deve levar em conta para tomar decisão

Desde junho deste ano, o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), pressiona o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para que seja publicada portaria desobrigando o uso de máscaras.

Em entrevistas, Queiroga diz que a medida virá “em breve”, mas evita cravar uma data.

Questionada pelo Metrópoles se este é o momento ideal para liberar o uso das máscaras, uma fonte do alto escalão do Ministério da Saúde afirma que “ainda não”.

Apesar de o país ter atingido 60% da população adulta completamente vacinada, a fonte ouvida pela reportagem diz que a pasta ainda está “em alerta, pois algumas variantes podem burlar a vacina”. O estudo sobre os impactos da liberação de uso do item de proteção facial é conduzido pela Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde (SCTIE), do próprio ministério.

“Não fechamos nada ainda [sobre a desobrigação do uso de máscara]. Reiniciamos as discussões, mas tivemos que parar, pois houve aquele aumento de casos há dois meses e pensávamos que poderia ser devido à Delta [os EUA voltaram a recomendar uso do item de proteção], o que poderia levar novamente a uma sobrecarga de nossa rede assistencial”, afirma a fonte ouvida pela reportagem.

Em conversas com interlocutores, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, projeta que, se os números da Covid-19 no país continuarem caindo, a pasta poderá orientar que o uso de máscaras ao ar livre seja abolido a partir de novembro deste ano.

Para tomar a decisão, o Ministério da Saúde avalia o status de alguns indicadores: população vacinada, casos e estrutura hospitalar.

“Mas, principalmente, a nossa cultura, que, felizmente ou infelizmente, não conseguimos ter muito distanciamento. Talvez os nossos parâmetros sejam maiores do que outros países, mas acredito que, paulatinamente, iremos liberar em alguns ambientes.”

A fonte ainda afirma que neste momento é preciso cautela e prudência, e esperar maior cobertura vacinal.

Deu em Metrópoles

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista