Política 31/08/2021 08:45

Mourão: “Queremos democracia e paz social no Brasil”

Em evento da Lide Mulher do Distrito Federal, general prega a união e defende o Estado de direito. Ele enfatiza não haver remédio contra a covid-19 e destaca a necessidade da vacinação em massa

Em palestra para um grupo de empresárias que integram o Lide Mulher do Distrito Federal, o vice-presidente Hamilton Mourão defendeu o Estado de direito, frisou não haver remédio eficaz contra a covid-19 e pediu respaldo ao governo.

‘Precisamos do apoio da sociedade. Quando eu falo em mudança, todo mundo levanta o braço. Agora, quem quer mudar? Todo mundo tem de ceder em algum ponto”, disse.

“Quando se fala em reforma tributária, é onde a porca torce o rabo. Todo mundo tem de ceder um pouco para que se chegue a algum consenso e a uma situação melhor para todos.”

Mourão discursou por uma hora para 50 empresárias, no Espaço Renata la Porta, no Lago Sul, que teve como anfitriões os presidentes da Lide DF, o empresário Paulo Octávio; e da Lide Mulher, a advogada Livia de Moura Faria. Na fala inicial, Paulo Octávio apontou que o grande desafio do país no momento é lutar contra o desemprego que atinge 14 milhões de pessoas.

O vice-presidente, por sua vez, fez um apanhado do cenário nacional e internacional. Começou referindo-se à pandemia, comparada por ele a um golpe de boxeador.

“Todo mundo tem estratégia até levar um murro na cara”, enfatizou. “Sabem quem foi o filósofo que disse isso? Mike Tyson. E a covid-19 foi um grande murro na cara de todo o mundo”, completou, na palestra sob o tema Desafios de uma nação. A seguir, os principais temas que Mourão abordou.

Vacinas e geopolítica

“A Índia e a China fizeram uma geopolítica da vacina oferecendo para outros países. Até que, para a Índia, a situação ficou crítica internamente, eles tiveram de dar uma segurada. Os Estados Unidos adotaram a lei de Mateus: primeiro para os meus. A imprensa endeusou o Biden, mas quem comprou todas aquelas vacinas que ele anunciou foi o Trump. Elas foram deixadas pelo presidente anterior. (…) O governo busca a vacinação em massa. Fora da vacinação, não foi descoberto um remédio para essa doença. É uma doença que a medicina está lutando para realmente saber como controlá-la.”

Deu em Correio Braziliense

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista