Economia 28/04/2021 09:26

Pesquisa da CNI: Para 71% da população, recuperação econômica virá só em 2022, diz pesquisa

Vacinação lenta é um dos fatores. Medo de perder emprego diminuiu. Pandemia fez 14% ficar sem renda Informações de levantamento da CNI

Para 71% dos brasileiros, só em 2022 a economia vai se recuperar dos efeitos da crise causada pela pandemia. Em julho de 2020, 61% achavam que a economia levaria, pelo menos, um anos para se recuperar.

As informações são de uma pesquisa da CNI (Confederação Nacional da Indústria), encomendada ao Instituto FSB Pesquisa, divulgada nesta 4ª feira (28.abr.2021).

Eis a íntegra (866 KB).

Essa percepção se deve, em parte, à demora no processo de vacinação contra a covid-19. São 83% os que consideram o ritmo de imunização lento, e 35% das pessoas que ainda não foram vacinadas acham que só receberão as doses em 2o22.

A pesquisa consta na 3ª edição do levantamento “Os brasileiros, a pandemia e o consumo”, produzido pela CNI. Foram entrevistadas 2.010 pessoas de todas as unidades da Federação, por telefone, de 16 a 20 de abril de 2020. A margem de erro da amostra é de 2 pontos percentuais.

Do total de entrevistados, 9% já tomaram a 1ª dose da vacina e 6%, as duas doses. O Brasil aplicou a 1ª dose de vacinas contra a covid em 30.270.885 pessoas até as 21h30 de 3ª feira (27.abr). Dessas, 14.005.294 receberam a 2ª dose. Ao todo, 44.276.179 doses foram administradas no país. O número de vacinados com ao menos uma dose representa 14,2 % da população.

O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, afirma que a retomada da economia só virá com a imunização em massa da população. “Mais importante, a rápida execução do Plano Nacional de Imunização -respeitando a ordem dos grupos prioritários- permitirá que a população brasileira possa, enfim, contar com a proteção contra essa doença que tem trazido enorme custo humano para o país e o mundo”, declarou.

Em comparação com 2020, as pessoas estão com menos medo de perder o emprego. Foram 41% os que afirmaram ter essa preocupação. Em julho de 2020, eram 45% e, em maio de 2020, 48%.

O impacto da crise causada pela pandemia na renda foi total para os 14% que afirmaram ter perdido completamente seus ganhos nos últimos 12 meses. Outros 32% disseram que sua renda diminuiu no período. Só 10% tiveram aumento de renda na pandemia. Para 12% dos entrevistados, a renda deverá diminuir ou acabar nos próximos 6 meses.

A pesquisa apontou que 71% da população diminuiu seus gastos desde março de 2020, quando a pandemia começou a se disseminar no Brasil.

Desse contingente, 38% afirmou ter reduzido as compras por estar inseguro em relação ao futuro, e 27% atribuem a diminuição ao fechamento do comércio por causa das medidas de prevenção ao contágio do vírus.

37% acreditam que essa redução será permanente. Há um ano, eram 29%.

A maioria dos entrevistados (61%) é favorável à abertura do comércio. Em julho de 2020, eram 49%. Quase metade (49%) são contrários à abertura de escolas e universidades. Há um ano, eram 72%.

Deu em Poder360

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista