Comércio 29/02/2020 08:34

Mulher é responsável por 52,15% das compras no e-commerce

Ainda segundo o estudo, o público feminino foi responsável por 52,1% dos pedidos de compra feitos no país durante o ano de 2019.

Ainda segundo o estudo, o público feminino foi responsável por 52,1% dos pedidos de compra feitos no país durante o ano de 2019.

Apesar de comprar mais, as mulheres gastaram menos: o gasto médio foi de R$ 371,70 por compra, enquanto os homens gastaram R$ 473,60 em média.

Segmentando todos os consumidores por faixa etária, é possível perceber que os que têm entre 36 e 50 anos realizaram o maior volume de compras (33,6% do total dos pedidos feitos durante o ano). Logo atrás, estão os que têm entre 26 e 35 anos, com 31,8% das compras.

Por fim, estão aqueles de até 25 anos (19,5%) e aqueles com mais de 51 anos (15,1%).

Na análise por região, é possível notar que o Sudeste é responsável pela maior parte dos pedidos realizados.

Durante o ano de 2019, 66,2% das compras feitas em território nacional vieram desse local. Entretanto, embora o Nordeste ainda represente 11,9% das vendas no e-commerce brasileiro, é a região que apresentou um crescimento maior nas vendas de 2019 em relação a 2018.

Em seguida, estão as regiões Sul (14,1%) e Nordeste (11,9%). Por fim, Centro-Oeste e Norte completam o ranking, com 5,8% e 2% do total de compras realizado, respectivamente.

Número de consumidores únicos aumentou 40,6% em relação a 2018

Outro crescimento importante está no número de consumidores únicos (aqueles que realizaram ao menos uma compra online no ano). Em 2019, este público aumentou 40,6% em relação a 2018, chegando a 31,4 milhões de pessoas.

Em 2020, expectativa é a de que varejo digital movimente R$ 90,7 bilhões

O Compre&Confie estima que as compras online gerem faturamento de R$ 90,7 bilhões em 2020, crescimento de 21% em relação a 2019. O aumento deve estar relacionado tanto ao número de pedidos – que deve ser de 210,8 milhões, aumento de 18% – quanto ao maior gasto dos consumidores. A companhia estima que o tíquete médio deve aumentar 2%, chegando aos R$ 430,00.

“Alguns fatores que explicam o otimismo do brasileiro com o comércio online em 2020 são programas de fidelidade mais atraentes, melhor experiência através de dispositivos móveis e, principalmente, preços extremamente atrativos devido a recuperação econômica e inflação sobre controle”, conclui Dias.

Deu em ProXXIma

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista