Sem categoria 29/03/2017 11:13

Mais de 40 milhões de pessoas querem se qualificar profissionalmente

Mais de 40 milhões de pessoas tinham interesse em fazer curso de qualificação profissional, em 2014, no entanto apenas 2,2% das pessoas de 15 anos ou mais (3,4 milhões de pessoas) estavam frequentando esses cursos e 15,6% haviam frequentado anteriormente (24,7 milhões de pessoas).

Mais de 40 milhões de pessoas tinham interesse em fazer curso de qualificação profissional, em 2014, no entanto apenas 2,2% das pessoas de 15 anos ou mais (3,4 milhões de pessoas) estavam frequentando esses cursos e 15,6% haviam frequentado anteriormente (24,7 milhões de pessoas).

A qualificação profissional é a modalidade mais acessível à população uma vez que muitos desses cursos independem de uma escolaridade prévia para sua realização. Além dos cursos de qualificação profissional, integram a educação profissional, o curso superior de tecnologia e o técnico de nível médio.

A demanda por cursos de qualificação profissional concentrava-se em um perfil jovem (45,4% das pessoas tinham entre 15 e 29 anos) e de alta escolaridade (48,1% tinham 11 anos ou mais de estudo), sendo 54,7% de mulheres, 59,6% pretas ou pardas e 68,7% de pessoas ocupadas.

Em 2014, apenas 6,6% dos estudantes universitários cursavam graduação tecnológica (cursos de curta duração), o que representava em números absolutos cerca de 477 mil pessoas. Esse percentual foi maior entre os homens (8,6%) do que entre as mulheres (5,0%), assim como entre os ocupados (7,6%) do que entre os não ocupados (4,6%).

Destaca-se que 75,9% dos estudantes de graduação tecnológica conciliavam trabalho com estudo, 78,0% frequentavam cursos na rede privada de ensino e 77,0% assistiam as aulas no turno noturno.

A pesquisa mostra que 1,2 milhão de pessoas frequentaram anteriormente a 2014 a graduação tecnológica, o que corresponde a 5,8% do total de pessoas que já haviam frequentado o ensino superior.

A rede privada foi responsável por 81,1% dos cursos frequentados e a conclusão do curso foi alcançada por 85,0% das pessoas que frequentaram essa modalidade.

Dentre os que não concluíram, 31,9% apontaram como causa a dificuldade financeira e, 25,7%, a dificuldade no cumprimento do horário do curso. Entre as pessoas que concluíram cursos de graduação tecnológica, 68,8% trabalhavam ou haviam trabalhado na área de formação.

Já entre aqueles que nunca trabalharam, 33,3% alegaram que havia falta de vagas na área.

Deu no Portal do IBGE

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista