Sem categoria 19/08/2013 07:36

São muitas as causas das decepções

Por fatorrrh_6w8z3t

O comportamento da confiança entre consumidores e empresários têm motivações diferentes.
Para o consumidor, pesou mais a inflação elevada e uma preocupação com o crescimento do desemprego. Em julho, o Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec) ficou em 110 pontos e apresentou estabilidade em relação a junho (110,1), segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI).
A pesquisa verificou, porém, que a expectativa em relação à inflação ficou no nível mais baixo desde 2001.
Do lado do empresário, o desempenho da atividade econômica é o que preocupa mais. “A queda de confiança do consumidor tem se refletido nas vendas, principalmente na venda a prazo”, afirma o presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, Roque Pellizzaro Junior.
Na visão de alguns analistas, a forte queda de confiança surpreende porque o Brasil ainda cresce e o mercado de trabalho não foi fortemente afetado pela desaceleração econômica – não estamos numa recessão.
O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) do município de São Paulo teve em julho a sexta queda consecutiva. Numa escala de 0 a 200, o indicador, apurado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomércio-SP), ficou em 136,7 pontos – uma queda de 14,8% no período de 12 meses. “Uma confiança ruim do consumidor vai tornar mais difícil uma recuperação econômica”, afirma Fabio Pina, economista da Fecomércio-SP.

Ricardo Rosado de Holanda



Descrição Jornalista